Moinhos de vento

Existem dois tipos de moinhos de vento na Holanda: os moinhos utilizados para fins industriais como, por exemplo, a moagem de trigo, e os moinhos que mantêm a terra seca: os moinhos de pôlder’. Um pôlder é uma área de terra conquistada à água e transformada em planície. As terras de pôlder são geralmente muito férteis e são usadas para agricultura, horticultura, cultivo de flores e pecuária.

Moinhos de pôlder

Os moinhos de pôlder são encontrados na região oeste da Holanda, que está situada abaixo do nível do mar. O pôlder mais baixo se encontra perto de Roterdã e está a 6,6 metros abaixo do nível do mar: o lugar mais baixo da Holanda. Na verdade, o pôlder é o fundo daquilo que antes era um lago ou pedaço do mar. Na zona leste da Holanda não há moinhos de polder, pois esta região situa-se bem acima do nível do mar e todo excesso de água encontra o caminho natural para os riachos e rios, como em outros países.

Há cerca de mil anos, toda a região ocidental da Holanda, onde agora se encontram as cidades de Amsterdã, Roterdã e Haia, era constituída de pântanos e lagos. Esta área estava constantemente sofrendo com as inundações do mar ou as enchentes dos grandes rios da Holanda: o Reno e o Mosa. Havia uns poucos lugares mais elevados onde existiam algumas aldeias e cidades e seus habitantes precisavam estar sempre alerta contra as inundações. Eles tentavam manter os rios dentro de seus leitos, reforçando as margens com diques. Gradativamente erigiram um completo sistema de barragens protetoras, e da mesma maneira se defenderam contra os avanços do mar.

Mas, como manter as terras atrás dos diques livres do excesso das águas pluviais? Os campos eram muito baixos, o que impedia a água de encontrar uma saída.

Em princípio foi utilizada uma roda d’água. A água da área baixa era assim transportada por sobre o dique, juntando se à água existente do outro lado deste mesmo dique. Estas rodas eram movidas pela força do homem ou do cavalo, até que um dia alguém teve a brilhante ideia de utilizar a energia do vento para fazer as rodas trabalharem. Foi assim que nasceu o moinho de bombeamento de pôlder.

A primeira informação histórica sobre o moinho de polder data de 1407 e diz respeito a um moinho na cidade de Alkmaar.

Os moinhos de polder são de diversos tipos e tamanhos, mas o princípio do seu funcionamento é sempre o mesmo. As quatro asas, pás, velas ou aspas, presas a um eixo no topo do moinho, recebem o vento que as faz girar, colocando a roda d’água em movimento. A parte superior do moinho também é giratória, permitindo ao operador virar as pás para que elas possam receber o vento vindo de qualquer direção.

Além de manter secas as terras baixas, o uso do moinhos de vento permitiu igualmente a recuperação de pântanos e logos, transformando-os em terras produtivas. Para que o lago pudesse ser secador eram construídos os diques paralelos ao redor do logo formando-se um canal entre estes diques. No dique mais próximo do lago eram construídos moinhos de vento que, mediante uma roda d’ água instalada em cada moinho, tiravam e transportavam a água do lago para dentro do canal de onde era finalmente levada para o mar. Este tipo de moinho com roda d’água só conseguia tirar água até uma profundidade de um metro e meio. Quando o lago era mais fundo construía-se uma segunda fileira de moinhos com diques, canal, etc. Assim há pôlderes que possuem até quatro fileiras de moinhos, cada uma cuidando de um nível de água. Uma obra de envergadura necessitava aproximadamente de 50 a 60 moinhos.
No século 17 houve uma grande melhora técnica: a roda d’água foi substituída pelo parafuso de Arquimedes ou ‘rosca sem fim’, que eleva a água a uma altura de cinco metros, fazendo o papel de uma bomba d’água.

Atualmente, muitas terras já conquistadas são mantidas secas por enormes estações bombeadoras movidas a óleo diesel ou energia elétrica, que executam o trabalho de centenas de moinhos de vento não significa que o moinho tenha se tornado obsoleto: muitos deles ainda estão cumprindo suas tarefas nos pôlderes mais antigos.

Moinhos industriais

Ao contrário dos moinhos de pôlder, todos ainda em pleno funcionamento, os moinhos industriais não foram capazes de fazer frente à competição de modernas técnicas, começando pela introdução das máquinas a vapor no século 19. As indústrias holandesas são equipadas com máquinas das mais modernas e os moinhos industriais foram, quase todos, aposentados. Alguns poucos são ocasionalmente usados para serrar madeira ou moer trigo. A história, porém, nos relata a enorme importância que estes moinhos representavam para a indústria dos séculos passados. Uma única região da Holanda, chamada Zaanstreek, perto de Amsterdā, concentrava o maior número de moinhos industriais. Em 1650 contava com 275 moinhos; em 1700 havia 525 moinhos e em 1740 alcançava o incrível número de 630 moinhos. Através dos séculos, calcula-se, devem ter funcionado na região mais de 1.000 moinhos.

Havia moinhos de vento para serrar madeira (sempre situados nas margens de rios ou canais, pois as toras eram trazidas pelas águas), moinhos para extração de óleo de nozes e sementes, moinhos de fumo para produzir rapé. moinhos para descascar cevada e arroz, moinhos que torciam fibras produzindo cordas, moinhos para produzir cimento, papel, mostarda, tintas, giz, cacau em pó, massa para colocar vidros e até moinhos para produzir talco para perucas.

A linguagem dos moinhos

Durante séculos os fazendeiros da Holanda têm usado as pás dos moinhos para enviar mensagens de um moinho ao outro. Havia moinhos em abundância e pelo seu tamanho podiam ser vistos de longe, constituindo-se assim no meio de comunicação mais rápido. A mensagem transmitida podia ser lida pela posição das asas ou velas. Acontecimentos importantes, como nascimento, casamento, falecimento, luto, procissão, quermesse e festas em geral eram anunciados desta forma. Em ocasiões festivas, o moleiro decora seu moinho com a ornamentação tradicional: gaiolas, cestas, grandes discos e corações de lata, anjos tocando trombetas, etc. e, acima de tudo, tremulando a bandeira vermelha, branca e azul da Holanda.

Curiosidades

*0 Oriente Médio já conhecia o moinho de vento no século 10. 0 moinho de vento mais antigo na Holanda é citado em documentos de 1240.

* Além da classificação dos moinhos em ‘moinhos de pôlder’ e ‘moinhos industriais’, podemos dividir os moinhos conforme o estilo de sua construção. Assim existem, entre outros, o moinho de ‘pivô central’, onde o corpo inteiro do moinho gira em torno deste pivô ou eixo; o ‘moinho gangorra’, que balança bastante quando em funcionamento; o ‘moinho cabeça de aranha’; o ‘moinho monge’: o ‘moinho saia’ e o ‘moinho torre’.

*As asas de alguns moinhos chegam até o chão, de outros não. A maior envergadura de asa encontrada na Holanda é de 29,56 metros.

*O moinho mais alto da Holanda e do mundo está na cidade de Schiedam: 44,8 metros.

*Cem anos atrás, a Holanda contava 10 mil moinhos, hoje restam 1.035. Há países na Europa que têm muito mais moinhos que a Holanda. Os moinhos da Holanda, porém, são famosos porque representam a luta contra a água. O moinho é a ‘marca registrada’ da Holanda, junto com a tulipa e o tamanco.

*Dos moinhos ainda existentes, 570 se destinam à moagem de trigo. Em séculos passados havia um moinho de trigo para cada 1.500 a 2.000 habitantes. Durante a guerra dos 80 anos (1568-1648), entre a Espanha e a Holanda, a cidade holandesa de Leiden foi sitiada pelos espanhóis. Os seus habitantes estavam morrendo de fome, chegando a comer ratos e cachorros. Os moinhos, porém, continuavam girando as suas asas, enganando os espanhóis, pois davam a impressão que estavam moendo trigo e que a resistência do povo iria longe.

*Os moinhos, sempre precisando de vento, às vezes foram mudados de lugar de acordo com o crescimento da cidade. Por este motivo há moinhos construídos até em cima do muro de algumas cidades.

MEMORIAL DA IMIGRAÇÃO HOLANDESA

Na província holandesa de Drenthe, terra natal de muitos imigrantes da Castrolanda, se encontra o moinho “Woldzigt”. 0 moinho foi construído no ano de 1852 com a finalidade de produzir azeite e farinha e funciona até o dia de hoje. Este moinho, um dos maiores da Holanda, serviu de inspiração para a construção do Memorial da Imigração. O Memorial é uma homenagem aos imigrantes holandeses que nos anos 1911, 1950 e 1960 se estabeleceram no Brasil: Carambeí, Castrolanda e Arapoti, no Estado do Paraná, e Holambra l e Holambra II, no Estado de São Paulo. A Colônia Castrolanda tomou a iniciativa para a construção do Memorial, quando comemorou em 2001 os 50 Anos de existência da Cooperativa e Colônia Castrolanda.

Do Memorial se destaca o moinho ‘De Immigrant’ (O Imigrante) cujas asas têm uma envergadura de 26 metros (de ponta a ponta) e cuja altura é de 37 metros (do chão até a ponta da asa em posição vertical), tornando-se assim um dos maiores moinhos do mundo e o único na América do Sul. O seu construtor é o Sr. Jan Heijdra que, com 75 anos de idade e 60 anos de profissão, viu realizado mais um dos seus sonhos.


Fonte:
Moinhos de Vento Tulipas Tamancos. Livreto publicado pela Associação Cultural Brasil-Holanda. Coleção histórica nº 1. Redação: Johan E. Scheffer, 2002.

Bibliografia:
Paul Zumthor: A Holanda no tempo de Rembrandt (Companhia das Letras); Max Dendermonde e Herman Scholten: Los zuecos de Holanda; Holland Herald: Publicação trimestral do Ministério do Exterior da Holanda.

Patrocinadores da publicação:
Batávia S/A Carambeí, Cooperativa Agropecuária Castrolanda e Prefeitura Municipal de Arapoti.